Aprenda a tomar decisões sobre o seu dinheiro.

Aprenda a tomar decisões sobre o seu dinheiro.

Desde o início dos anos 2000 os brasileiros não sabiam o que era uma crise. Existe uma geração inteira que nunca tinha vivido em um cenário de demissões em massa, recessão, inflação próxima de dois dígitos no ano e alta acelerada do dólar. Termos que eram comuns nos noticiários das décadas de 80 e 90.

A partir de 2008, com base em problemas econômicos dos EUA e da Europa, a imprensa passou a anunciar o início de uma crise no Brasil que poderia perdurar por anos. Conforme previsto a crise veio. Houve erros do governo federal que colaboraram para a instalação dela, mas o clima antecipado de instabilidade plantado por opositores potencializou os riscos.

“O mercado sente os humores da sociedade, percebe a insegurança gerada pelo noticiário. O mercado, apesar de ser uma figura abstrata, fica desconfiado e responde ao clima negativo com cortes de investimentos. O resultado é a retração da economia”, explica o economista André Corrêa Barros, auxiliar técnico da subseção do Dieese no SMetal de Sorocaba.

Mas, enfim, agora a prioridade é superar a crise, começando pelo orçamento doméstico. Afinal, com a alta de preços e das tarifas públicas, os salários duram cada vez menos. E apelar para os juros imorais dos bancos só agrava o problema.

Para arcar com as despesas sem acumular dívidas impagáveis, o jeito é procurar se organizar e se tornar um consumidor mais consciente.

As dicas convencionais de economia familiar, como pesquisar preços, fazer a contabilidade familiar e fugir dos créditos rotativos dos cartões, funcionam bem. Mas não bastam.

O ideal é que a organização das contas pessoais, a postura equilibrada diante das tentações de consumo e o combate ao desperdício sejam adotados o tempo todo, independente das condições econômicas do país. Mas em um quadro de crise essas recomendações adquirem caráter emergencial.

Solução em família

Os membros da família devem aceitar que a renda familiar é de X, e que não dá pra extrapolar esse X.

Mas o controle das finanças não pode se tornar motivo para desentendimentos constantes. Não é incomum os problemas financeiros serem responsáveis por casamentos desfeitos.

Uma forma de deixar o ato de economizar mais atraente é elaborar metas. As pequenas economias mensais podem virar uma viagem de férias, um bem de consumo desejado por todos ou um final de semana especial. Assim todos os integrantes terão mais força de vontade para economizar, visando o prêmio pelo sacrifício.

Falsa renda

Os principais vilões da economia doméstica são o cartão de crédito e o cheque especial. “Esse tipo de crédito te oferece um aumento de renda que não existe. A pessoa tem um salário de R$ 3 mil, por exemplo. O limite do cartão dela é de R$ 3 mil e ela tem um cheque especial de R$ 1 mil. Ela tem a impressão que ganha R$ 7 mil. Mas não é verdade. Ela vai pagar caro por essa ilusão”, esclarece.

No fim das contas, o trabalhador vai usar parte da renda que realmente tem para pagar os juros sobre aquilo que acreditava ter.

Os juros do cartão de crédito giram em torno de 368,27% ao ano, segundo a Associação Nacional dos Executivos em Finanças (Anefac). Por mês o usuário paga, em média, 13,78% sobre o valor da compra, além das taxas de manutenção.

No cheque especial, segundo a Fundação Procon, o correntista paga 12,4% de juros ao mês, em média; ou 306,62% no ano. Enquanto isso, a inflação, medida pelo INPC/IBGE, deve fechar 2015 na faixa dos 10%. O trabalhador tem todo o direito de satisfazer suas necessidades de lazer e consumo extra. É saudável e ajuda a fazer a roda da economia girar. O que se recomenda é consumir de forma consciente e responsável.

Para entender o consumismo

O psicanalista Ricardo trabalha o conceito da compensação para analisar o consumismo. “O sistema natural do ser humano busca a homeostase, o equilíbrio. Esse equilíbrio é efêmero. Tem que ser administrado constantemente. Nossos conflitos cotidianos fazem parte desse conceito e a pessoa busca uma compensação para retomar o equilíbrio. Tem pessoa que o procura nas compras. Nesse caso está tentando suprir uma emoção que não desenvolveu de maneira adequada”.

Ele dá um exemplo: “Às vezes a pessoa trabalha a semana toda em um trabalho que não gosta. Aí ela tenta compensar o desprazer extrapolando nos gastos de fim de semana”. O lazer, que é para ser saudável, deixa de ser porque se torna a compensação de algo desagradável que ela não consegue administrar.

“A neurociência diz que 90% dos nossos processos neurológicos são inconscientes. Temos 10% de participação consciente. Tomando a compra como exemplo, o quanto da minha atitude é consciente? Eu me perguntei por que eu quero comprar isso? Vai servir para quê? É para suprir uma necessidade real ou é uma compensação?”, questiona o psicanalista.

Armadilhas

A propaganda sabe que o consumismo é emocional. Por isso carrega os anúncios com mensagens emocionais: Compre isso para se sentir melhor! Compre isso para se sentir bem sucedido! “Para se contrapor, você tem que se perguntar: que emoção está ligada à minha vontade de comprar?”, questiona Ricardo.

Ele aconselha a ficar atento à mensagem subliminar da propaganda, que busca nos fazer sentir necessidade de atender ao apelo comercial. “Nós funcionamos por estímulos. Depois de um tempo, o estímulo repetitivo condiciona a agir no modo automático. Por exemplo: quando você está aprendendo a dirigir, o cérebro vai registrando quais são os movimentos para engatar o carro, olhar nos espelhos, dar seta, frear. Isso é consciente. Mas depois que o cérebro está treinado, o consciente não participa mais. Os estímulos externos [visuais ou auditivos] fazem o motorista executar os movimentos automaticamente. Dirigir se torna uma ação condicionada”.

O marketing aproveita-se da ação condicionada. “Algum estímulo vem. Faz com que o cérebro acione uma programação anterior, construída vendo TV, lendo, ouvindo. E você reage comprando o produto por reflexo. O importante nessa hora, voltando para a analogia do carro, é assumir o controle do volante e dirigir consciente, ignorando estímulos de consumo”.

Ter ou ser é a questão

O psicanalista esclarece que, ao despertar a consciência do que significa o valor embutido em cada situação, a pessoa sai do sistema consumista. Ela inicia um processo de percepção do valor real de uso e o valor de status do produto. “O jovem vai comprar um tênis porque é bom e não estraga fácil; e não para mostrar que tem a marca mais cara e badalada, que sugere uma compensação emocional”.

“Não estou fazendo apologia à pobreza. Estou defendendo o equilíbrio, a razão, a satisfação real”, afirma Ricardo.

De acordo com ele, a sociedade capitalista pressiona o indivíduo a valorizar mais o TER do que o SER. “Ao aceitar isso, a pessoa coloca nos objetos sua identidade. Ao invés de buscar seus talentos ou o que realmente a faz feliz, ela elege símbolos. Quando isso acontece, ela não busca mais a felicidade dentro dela, ela busca nos símbolos. O TER se torna mais importante do que o SER”, explica.

Dicas de controle do orçamento em casa

• Cheque especial
Evite ao máximo usar

• Cartão de Crédito
Evite pagar o valor mínimo

• Planilha caseira
Elabore uma planilha com colunas de rendimentos x despesas fixas/gastos variáveis; priorize despesas fixas (água, luz, aluguel, alimentação)

• Dívidas?
Procure renegociá-las

• 13º salário
Tente adiar planos de consumo. Reserve uma parte para abater dívidas. Se possível, guarde uma parte para despesas de início de ano (IPTU, IPVA, volta às aulas).

• Crie rotinas
Planeje cardápios da semana, formas de transporte etc

• Recursos naturais
Utilize de maneira racional – Crie rotinas e limite o tempo de uso: banho, máquina de lavar, secadores de cabelo e aparelhos de chapinha

• Água
Evite lavar calçadas e carros com mangueira (Essa medida tem caráter não apenas econômico, mas também social)

• Energia
Cuidados adicionais: apague luzes de cômodos vazios, não deixe aparelhos ligados à tomada durante a noite (modo stand by consome energia) ou após o carregamento completo de baterias de celulares e notebooks, utilize lâmpadas frias

• Lista de compras
Leve anotado ao supermercado o que precisa comprar

• Alimentos
Alimente-se antes de ir ao supermercado. Estudos comprovam que a sensação de fome induz o cliente a comprar mais do que o necessário

• Pesquise preços
Produtos de maior valor, como móveis, eletrônicos e roupas devem ter preços pesquisados em pelo menos 3 estabelecimentos

• Pagamentos à vista
Sempre negocie um desconto

• Impulsos consumistas
Pratique autocontrole sobre o consumismo (inclusive em compras pela internet)

• Essencial
Envolva toda a família no processo de economia doméstica

Fonte: SMetal

Sobre o Autor

André Novaes é empreendedor formado em administração de empresas. Acumula experiência no varejo e mercado financeiro, tendo atuado em empresas como 3M do Brasil, Credit Suisse Hedging Griffo, e Prudential do Brasil. Como empreendedor, a sua jornada começou em 1998, quando montou a sua 1ª empresa, um site de internet que posteriormente foi vendido em 2000. Especialista em planejamento de vida, proteção financeira e investimentos dinâmicos, atua como pesquisador e planejador, professor e palestrante, com a missão de conduzir as pessoas e famílias brasileiras à auto- gestão responsável de sua vida e finanças, reconduzindo a família ao centro do planejamento de vida. Em 2007, André Novaes fundou e atua como CEO da LifeFP™. Em 2016 escreveu o manifesto “Uma Nação em Sua Melhor Versão” e criou a LIFE Academy como a plataforma que planejará a vida milhões de brasileiros e transformará a relação das pessoas com o dinheiro.

POSTS RELACIONADOS



15
set

Plano e planejamento: entenda as principais diferenças

Você conhece as diferenças entre plano e planejamento? Ambas as palavras têm conceitos completamente distintos, bem diferente do que muitas pessoas pensam. O primeiro tem relação com aquelas coisas que...
Leia Mais
14
ago

Consumo consciente: saiba como colocá-lo em prática

A contemporaneidade é marcada por um excesso. A todo momento, você é incentivado a comprar produtos, nem sempre necessários, que lançam mão de falsas promessas do suprimento total de suas...
Leia Mais
07
ago

Descubra como definir seus objetivos financeiros

Não há limites para a capacidade humana de desejar, porém, os recursos disponíveis para concretizar todos esses desejos são escassos. Essa regra básica de economia é universal e se aplica a...
Leia Mais

Conheça os cursos online da Life Academy

Últimos Posts

Plano e planejamento: entenda as principais diferenças
15 de setembro de 2017
5 cuidados para ter ao contratar a previdência privada
11 de setembro de 2017
Consumo consciente: saiba como colocá-lo em prática
14 de agosto de 2017
Descubra como definir seus objetivos financeiros
7 de agosto de 2017
Procurando melhores investimentos? Conheça 5 para evitar
31 de julho de 2017
Ritual matinal para uma vida em sua melhor versão
25 de julho de 2017

CONTEÚDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!