Aprenda a tomar decisões sobre o seu dinheiro.

Aprenda a tomar decisões sobre o seu dinheiro.

Você sabia que o seu planejamento financeiro pode passar por mudanças bruscas? Isso acontece devido aos imprevistos, que chegam sem avisar e podem causar grandes estragos. Então, como fazer para evitar isso?

Com o uso dos seguros de vida. Eles são, aliados a uma postura positiva, a melhor forma de se ter tranquilidade e garantia financeira ao segurado ou seus familiares em caso de morte ou invalidez.

Mas, como escolher entre os tipos de cobertura de seguros de vida? Para te ajudar vamos mostrar a diferença entre eles, além da abrangência de cada opção. Vamos lá?

O que é seguro de vida?

O seguro de vida funciona como uma garantia oferecida por determinadas empresas do ramo, que fornecem uma indenização financeira em caso de morte ou outros problemas, como invalidez.

É necessário que o contratante pague um valor mensal e indique quais serão as pessoas que receberão o valor do seguro. Estes dados são validados em um documento de contratação, conhecido como certificado ou apólice.

O objetivo principal do seguro de vida é fornecer a garantia de recursos aos beneficiários, com o intuito de diminuir os impactos causados pela morte ou invalidez. Porém, é importante tomar cuidados antes de escolher o tipo de cobertura de seguros de vida, para evitar surpresas futuras. Mas esse é um assunto para o próximo tópico. Vamos lá?

Tipos de cobertura de seguros de vida?

Cobertura para morte

O principal tipo de cobertura, o mais importante, é a para a morte. Ela se destina ao pagamento do capital aos beneficiários em casos de falecimento do assegurado.

A cobertura é garantida para morte natural ou acidental.

Cobertura por invalidez

Ao contrário do que muitos pensam, existem seguros que não se destinam para morte. São indicados para casos mais brandos, como invalidez, doenças ou despesas médicas.

A cobertura por invalidez pode ser de dois tipos: invalidez permanente total ou parcial por acidente (IPA) e invalidez laborativa permanente total por doença (ILPD).

No primeiro caso é garantida uma indenização para redução, perda ou impotência funcional permanente de membros ou órgãos. O valor pago será equivalente a 100% do capital assegurado para o risco de morte.

Porém, é preciso que a invalidez seja avaliada e constatada após o tratamento concluído. Assim, pode-se provar que não existem mais recursos terapêuticos disponíveis para que o assegurado possa se recuperar.

Já a ILPD é o tipo de indenização em casos onde a invalidez é decorrente de uma doença incapacitante, que não permite recuperação ou reabilitação. Assim, o assegurado fica impossibilitado de exercer atividade laborativa, que é a sua principal fonte de renda.

São inclusas também as doenças em fase terminal. Assim como na IPA, é preciso que a invalidez seja verificada e comprovada, sendo que nenhum tipo de recurso terapêutico pode reverter o quadro.

Existe ainda, um último tipo de invalidez que possui cobertura, porém nesse caso a doença leva o assegurado a invalidez completa, ou seja, ele se torna incapacitado de exercer qualquer tipo de atividade.

Assim, o assegurado se torna permanentemente inválido, sendo totalmente depende de cuidados externos.

Cobertura de despesas médico-hospitalares

Esse é um tipo de seguro onde não há a necessidade de morte ou invalidez. Nele, é feito o reembolso de todos os gastos realizados devido a algum tipo de acidente, mediante comprovação médica.

Porém, a indenização somente é paga caso o tratamento aconteça no período contratado para essa garantia. Estão inclusos, também, procedimentos realizados no exterior, desde que não ultrapassem o limite da cobertura.

Vale lembrar que esse tipo de seguro não cobre despesas oriundas de problemas resultantes após a alta médica. O assegurado pode escolher qual médico ou clínica irá realizar o procedimento, desde que estejam habilitados. Além disso, as despesas devem ser comprovadas.

Cobertura por doenças graves

Esse seguro garante a indenização para doenças que foram especificadas e caracterizadas no contrato. Entretanto, não são todos os tipos de enfermidade que podem ter cobertura. Elas devem ter gravidade elevada, como acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência renal crônica, câncer, transplante de órgãos vitais e cirurgia coronariana.

É preciso, então, que o assegurado verifique quais as doenças constam no contrato, para que possa garantir a sua indenização. Além disso, neste tipo de cobertura, é vedado o seguro para despesas médico-hospitalares resultantes do tratamento da doença.

Cobertura vida inteira

Como o próprio nome sugere, esse tipo de seguro tem vigência durante toda a vida do contratado. Assim, o contrato não poderá ser cancelado em nenhum momento, salvo em caso de falta de pagamento ou fraude.

Esse tipo de cobertura exige mais detalhamento, como a solicitação de exames clínicos, descrição de hábitos rotineiros, consulta médica, declaração de rendas e bens e ainda um histórico familiar de doenças.

Isso é feito com o objetivo de realizar uma avaliação mais rigorosa, pois a duração do seguro é estendida por toda a vida.

É preciso ter atenção as cláusulas do contrato?

Sim! Independentemente do tipo de cobertura escolhida é importante ter atenção a todas as cláusulas do contrato estabelecido. Existem alguns riscos que não estão inclusos no seguro de vida e podem estar apresentados de forma genérica no contrato, dificultando o entendimento do contratante.

Os principais riscos excluídos da cobertura de seguros de vida são: uso de material nuclear e acidentes nucleares, operações de guerra, doenças existentes antes da contratação do seguro, lesão causada por esforço repetitivo (LER), lesão por trauma continuado (LTC) e outras doenças semelhantes.

Vale ressaltar que algumas práticas, como morte ou incapacidade decorrente do uso de meio transporte arriscado, prática de esporte em auxilio alheio, prestação de serviço militar ou ato de humanidade, devem ser indenizados pela seguradora de acordo com o artigo 799 do Código Civil.

Então, mesmo se houver alguma restrição no contrato, o valor do seguro deverá ser pago obrigatoriamente pela empresa seguradora.

Posso incluir outras pessoas no meu seguro de vida?

A inclusão de adicionais no seguro depende do seu tipo. Algumas empresas permitem que o cônjuge seja adicionado no acordo, onde ele passa a ser considerado segurado dependente.

Porém, o capital segurado do cônjuge não poderá ser superior ao valor total da indenização do segurado principal. Caso ocorra morte simultânea de ambos, o capital a ser ressarcido será referente à todas as coberturas.

O caso de adesão dos filhos é semelhante ao cônjuge: eles serão inclusos como segurados dependentes. Enteados e menores que dependam economicamente do segurado principal também podem estar no contrato.

Percebeu como é importante conhecer todos os tipos de cobertura de seguros de vida? Agora você só precisa escolher o que mais se adapta ao seu planejamento pessoal!

E o mais importante: aprenda sobre o que você está comprando para que você não “seja vendido” no mercado. É fundamental que a sua compra, seja de seguro ou qualquer outro produto de investimento, ocorra de acordo com o seu planejamento pessoal, assim ela será uma compra contextualizada e não apenas uma venda comissionada.

Não deixe de compartilhar nosso artigo nas redes sociais e ajudar seus amigos na melhor escolha do seguro de vida!

Sobre o Autor

André Novaes é empreendedor formado em administração de empresas. Acumula experiência no varejo e mercado financeiro, tendo atuado em empresas como 3M do Brasil, Credit Suisse Hedging Griffo, e Prudential do Brasil. Como empreendedor, a sua jornada começou em 1998, quando montou a sua 1ª empresa, um site de internet que posteriormente foi vendido em 2000. Especialista em planejamento de vida, proteção financeira e investimentos dinâmicos, atua como pesquisador e planejador, professor e palestrante, com a missão de conduzir as pessoas e famílias brasileiras à auto- gestão responsável de sua vida e finanças, reconduzindo a família ao centro do planejamento de vida. Em 2007, André Novaes fundou e atua como CEO da LifeFP™. Em 2016 escreveu o manifesto “Uma Nação em Sua Melhor Versão” e criou a LIFE Academy como a plataforma que planejará a vida milhões de brasileiros e transformará a relação das pessoas com o dinheiro.

Leave a Reply

Conheça os cursos online da Life Academy

Últimos Posts

Prezado RH, palestras e workshops de educação financeira não funcionam.
6 de agosto de 2019
2019 e além
6 erros para evitar com o seu dinheiro em 2019
31 de dezembro de 2018
Construindo um plano de crescimento
11 de novembro de 2018
O seu projeto de vida em 2018 é muito maior do que as eleições
29 de agosto de 2018
A vida é um jogo?
22 de agosto de 2018
Plano ou planejamento financeiro? E a relação com o seu guarda-roupas
11 de junho de 2018

CONTEÚDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/voce20/www/blog/wp-includes/functions.php on line 4757

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/voce20/www/blog/wp-includes/functions.php on line 4757